Pular para o conteúdo principal

O medo prejudica a memória



Você sabia que o medo prejudica a memória?  E que álcool, nicotina e cafeína  associadas ao momento da memorização tornam-se um gatilho indispensável para a lembrança da memória?

 A memória está ligada à aprendizagem, e aprendemos e lembramos não só com o cérebro, como também com o eu físico. Isso mostra que a mente está no corpo, formando um corpomente e demonstrando como a mente é realmente penetrante e de longo alcance.

Estudos muito claros feitos pelo Dr. Donald Overton mostram a existência de estados dissociados, ou seja, não-conectados, de aprendizado e memória. Os dados dele demonstram que o que se aprende num estado induzido por drogas, posteriormente não se consegue resgatar da memória, a menos que a pessoa esteja na mesma condição primeira. Por exemplo, se você fuma cigarros e toma café ao se preparar para um exame, não será capaz de se lembrar dos conhecimentos durante a prova, a menos que fume cigarros e tome café. Isso acontece porque diversas substâncias como álcool, nicotina, e cafeína criam estados alterados de consciência, com diferentes emoções e lembranças, e portanto, diferentes modos de aprendizagem. Adquire-se o conhecimento com o corpomente inteiro, não só com o cérebro.

Além do mais, o aprendizado é um evento emocional, afetado pela maneira como você se sente. Há toneladas de dados que mostram que não se consegue aprender novas informações num estado de medo. Já há palestras para educadores demonstrando como o castigo e as ameaças inibem o processo de aprendizado.

Concluindo, para manter um bom nível de aprendizado e memorização, é importante não associar o processo ao uso de álcool, nicotina e café, bem como evitar estado de medo. Por exemplo, se você está estudando para um concurso ou avaliação, manter o foco no medo de não passar aumenta as chances de não lembrar do conteúdo na hora da prova.

Fonte: Livro Conexão Mente, Corpo e Espírito.


Imagem de Sara Madden por Pixabay

Postagens mais visitadas deste blog

O Mapa da Consciência de Hawkins - frequência vibracional

David R. Hawkins foi um médico psiquiatra que dedicou sua vida a estudos que ajudassem a melhorar o bem estar do ser humano.


Através da cineseologia e alguns testes simples conseguiu desenvolver uma metodologia capaz de  medir a frequência do campo vibracional de pessoas, filmes, documentos, criando uma escala chamada "Níveis de consciência de Hawkins" onde computou os sentimentos do mais baixo - vergonha, 20 Hz - ao mais elevado - Iluminação, de 700 a 1000 Hz.

Doenças emocionais de A a Z: Abcessos e furúnculos

Abcessos





São acúmulos de pele causados por obstrução de glândulas sebáceas ou sudoríparas, onde há células mortas, bactérias e outros detritos. Há uma resposta inflamatória do organismo, causando acúmulo de pus, vermelhidão, dor, inchaço.

Doenças emocionais de A a Z - Apendicite

A apendicite é caracterizada por um bloqueio na vida causado pelo medo.



Vítimas dessa doença mostram alegria dispersa e  resistência a quebrar um padrão ficando agarradas a situações como relacionamentos, profissão, que não trazem satisfação por medo de tomar outro caminho.