4 etapas para usar o fluxo natural do cérebro

Você provavelmente já teve momentos em que concluir um relatório é entediante, ou pensar em ideias novas parece uma tarefa difícil, mas também já experimentou momentos em que o oposto era verdadeiro - você entrou no ritmo, e tudo simplesmente veio sem esforço. Isto aconteceu  provavelmente porque o que você estava fazendo estava em sincronia com o fluxo natural do seu cérebro naquele momento.



A maioria dos trabalhos tem tarefas que exigem pensamento criativo e analítico. O truque para trabalhar no seu melhor, de forma eficiente e eficaz, é reconhecer quando você está no estado de espírito certo para cada um desses empreendimentos.


Os cientistas trabalharam implacavelmente para entender como o cérebro funciona. No entanto, quando se trata de eficácia no trabalho, o que funciona para uma pessoa nem sempre funciona para outra. Os autores Michael Breus e Daniel Pink conduziram uma investigação aprofundada sobre este tópico e escreveram livros sobre como o cronotipo das pessoas determina o tipo de atividades que devem ser realizadas em diferentes momentos do dia .

Para aproveitar o fluxo natural do seu cérebro e aproveitar ao máximo a maioria de sua lista de tarefas e seu tempo, siga este processo de quatro etapas. O objetivo é mapear a produtividade do seu cérebro de acordo com o momento e buscar se adaptar a esse mapa pessoal na hora de realização atividades.

Primeira etapa: classifique suas tarefas

Comece dividindo seu trabalho em duas categorias diferentes: tarefas que exigem mais pensamento criativo e aquelas que são mais analíticas. Claro, tenha em mente que muitos projetos têm componentes analíticos e criativos. Seu instinto pode dizer-lhe para concluir o projeto do início ao fim, mas você pode produzir uma saída muito melhor se você dividi-los em partes menores e resolvê-los em momentos diferentes, dependendo do tipo de trabalho.

Segunda etapa: lembre-se de seus sucessos passados

O próximo passo é determinar quando seu cérebro está preparado para lidar com projetos criativos e quando funcionará melhor em projetos analíticos. Pense e analise um momento em que você trabalhou de forma criativa sem limites e com o que esse sucesso se parecia em detalhes. Quais foram as circunstâncias? Onde você estava? Qual foi a hora do dia? O que aconteceu antes e depois? No que você estava trabalhando? Quanto tempo levou? Qual foi o resultado? Como se sentiu?

Em seguida, repita esse processo em relação às suas tarefas analíticas. Não só você obterá insights sobre quando seu cérebro é mais eficiente de forma criativa e analítica, mas também obterá um impulso natural de reviver seus sucessos.

Terceira etapa: observe seus hábitos

Observe seus hábitos de trabalho ao longo do dia. em que momento você se vê sendo mais produtivo? Que tipo de trabalho você está fazendo durante esse tempo? O que você está evitando durante esse tempo?

Volte uma semana ou até um mês para avaliar seus padrões. É preciso um pouco de reflexão para determinar os momentos em que você é mais criativo e quando você é mais analítico. Pense em um momento em que você pensou: "Eu não posso fazer isso agora". Dependendo do que você estava fazendo, este é o seu cérebro lhe dizendo que você precisa de um pouco mais de pensamento analítico ou criatividade para fazer a tarefa. Talvez você tenha se encontrado repetidamente  adiando uma tarefa específica. Em vez de usar sua força de vontade para fazer algo que seu cérebro não queira fazer, tente fazer essa atividade em outra hora do dia e veja o resultado.

Quarta etapa: Mude suas tarefas quando isso faz sentido

Em seguida, tente analisar diferentes projetos em diferentes momentos do dia. Quando você se senta logo ao iniciar a jornada de trabalho, dê a si mesmo a opção de duas tarefas - uma analítica e uma criativa - e observe o que agrada a você. Faça a mesma coisa no meio da manhã e à tarde. Se você é uma pessoa que às vezes faz um trabalho adicional à noite ou trabalha neste horário, realize a mesma observação à noite.

Você verá que, ao permitir que seu cérebro complete as tarefas que o atrai, fica mais fácil se concentrar. Afinal, você não terá que desperdiçar sua energia forçando seu cérebro a operar fora de seu estado natural. Lembre-se de que seu tempo "ideal" pode não ser necessariamente um relógio - por exemplo, você pode ser mais criativo depois de concluir determinadas tarefas, depois de liberar algum estresse ou depois de interagir com um indivíduo específico. O objetivo é observar seus próprios padrões e ver se você pode contornar isso.

Você descobrirá que, quando tiver mais controle sobre a categorização de suas tarefas, fazer até mesmo uma pequena mudança para acomodar isso pode fazer uma grande diferença. Brinque com isso por um tempo até entender seu relógio interno com mais clareza. Não apenas você aprenderá a maximizar a eficiência, você pode até criar, de forma subjetiva, mais horas no seu dia.

Fonte: Fastescy Nesletter Autor Lisa M. Aldisert, PhD
Imagem de ElisaRiva por Pixabay

Postagens mais visitadas