Doenças Emocionais de A a Z - Coluna Vertebral (problemas na)


A coluna simboliza o suporte flexível da vida. Simboliza também a árvore genealógica, os nossos antepassados e tudo o que a pessoa suporta durante a existência. É o pilar de sustentação. 

Quando uma criança já  nasce com problemas nessa região, pode significar problemas espirituais e psicológicos  duradouros por várias gerações que pedem para ser resolvidos. Neste caso, a constelação familiar sistêmica pode ajudar bastante. Problemas que surgem na infância, simbolizam ambiente familiar em desarmonia.

Em geral, adultos com problemas nessa região costumam assumir mais responsabilidade do que se sentem capazes de suportar, ou buscam tomar decisões calcadas nas opiniões externas, mesmo não concordando. No fundo, não acreditam no futuro ou na força superior. O volume de pensamentos e tarefas que assume pode causar sobrecarga nesta região.

Pessoas que se apoiam em velhas ideias e tem dificuldades para mudar os próprios padrões, costumam desenvolver desvios na coluna. Seu entrave mental promove travas na coluna. Já de acordo com a região:

Problemas nas vértebras cervicais sinalizam cabeça cheia de ideias desconexas, indecisão e amargura. Pode sinalizar também sentimento de culpa e ressentimento, pois sentem-se responsáveis por atribuições que não são suas. Por excesso de responsabilidade, esses problemas pedem maior flexibilidade e suavidade consigo mesmo.

Problemas nas vértebras toráxicas mostram contrariedade por suportarem uma vida que não lhes agrada. Evitam o amor por idealizá-lo, se sentem diminuídas, temem assumir sozinhas fracassos e responsabilidades e arranjam motivos para evitar o prazer de viver. No fundo, problemas na região e as experiências que vivem estão justificando sentimentos de culpa e autopunição. Para reverter este quadro, desenvolver profundo auto-amor e auto-perdão é fundamental.

As vértebras lombares simbolizam um sentimento contraditório: a pessoa deseja amor, mas teme aceitá-lo e perder individualidade e liberdade. Pode também simbolizar insegurança financeira e medo de não conseguir honrar suas dívidas. Pode ainda, demonstrar abuso sexual de alguma forma - excesso ou total repressão. Quando arrasta problemas sentimentais sem conseguir tomar uma decisão, tende a desenvolver hiperlordose na região devido à rigidez com os próprios sentimentos. E finalmente, o orgulho - dificuldade para ceder aos outros - também podem causar problemas lombares.

Problemas no sacro mostram extrema inflexibilidade e teimosia. A pessoa se recusa a ceder a hierarquias, tem dificuldade em lidar com novas ideias, tem apego ao passado e muita dificuldade com mudanças. Estes problemas podem ser revertidos se a pessoa começar a treinar o desapego, o fluxo da vida, as novas ideias e mudanças com suavidade, além de aprender a relaxar e a retomar seu poder pessoal.

Problemas no cóccix aparecem após um grande abalo emocional, no qual a energia vital fica em desequilíbrio severo. Os sentimentos foram feridos e sua segurança está abalado. Seu pilar da segurança está abalado e suas lembranças são dolorosas - sente-se só e sem forças para continuar.  Outro ponto importante relacionado a esta região, caso não haja um problema aparecente, é o fato de que esta região costuma absorver as energias densas dos ambientes.

--> Para reverter qualquer desses problemas, boas dicas são: arrumar o ambiente e se desfazer de objetos sem uso, o que ajuda a reorganizar o próprio pilar de sustentação; fazer por si próprio o que gostaria que lhe fizessem, ou seja, se agradar, se amar; deixar de procurar corresponder a expectativas e problemas alheios e voltar mais os olhos para si; ser seu melhor amigo e apoio; trabalhar a capacidade de mudar seus padrões e ideias com suavidade.

Novo padrão sugerido: Eu solto meus medos pois sei que a vida me apoia incondicionalmente. Eu me amo e sei que estou alinhado com a segurança o amor divino

***

Para que se possa abranger o maior número de doenças possível, publicaremos as doenças periodicamente em ordem alfabética. É importante sempre avaliar com calma cada caso, olhando para o interior, conversando consigo mesma/o para perceber qual é o padrão arraigado e como este pode ser substituído por um novo padrão, visto que todas as doenças partem do eu, do que criamos em nosso interior e se manifesta no exterior. Em seguida, fale consigo  várias vezes sobre o novo padrão e sempre com a postura de que a doença já está curada.

Livros de referência:
  • Você pode curar sua vida
  • Linguagem do corpo
  • Metafísica da saúde
  • Tratado de Medicina Floral
imagem freepik