A felicidade sob a perspectiva quântica

Um dos objetivos mais almejados a nível de consciência é viver em estado de felicidade.  Mas afinal, o que isso significa?



O físico quântico Amit Goswami explica que temos dois tipos de felicidade: uma molecular, onde nos sentimos bem, mas não há nenhum tipo de expansão de consciência, podendo gerar uma sensação passageira.  Acontece quando há a sensação de  prazer, como amar uma pessoa, dar um presente, conquistar algo. Por outro lado, quando sentimos a expansão da consciência através da exploração de nossos dons desenvolvemos uma espécie de felicidade sutil, não tão explícita quanto a anterior, porém bem mais duradoura.



Há três níveis mentais de felicidade:

- condicionada (por memória) - permanecemos o mesmo, ou seja, nos sentimos felizes a partir de uma situação onde há pouco crescimento interior, sendo considerado o nível mais baixo de felicidade;
- criatividade - acontece quando abrimos a mente para a exploração criativa do significado, sentimento, intuição, arquétipos, valores universais. É considerado um salto em relação ao nível anterior, porém quando ainda o fazemos dentro dos limites impostos pela sociedade;
- consciência - desenvolve-se a partir da investigação da vida e dos propósitos particulares para encontrar o maior nível de felicidade. Nessa etapa o ser é capaz de estar feliz o tempo todo, independente das circunstâncias.

A questão mais importante a se lidar é o fato de que temos circuitos emocionais negativos, herdados de ancestrais animais, conectados aos nossos instintos, porém como costumamos combinar essa herança com nossos pensamentos, hormônios e emoções acabamos dando força ao aspecto negativo, gerando stress. Para a expansão é fundamental equilibrar as emoções negativas a partir do desenvolvimento de circuitos cerebrais positivos.

Para equilibrar, não adianta suprimir, reprimir ou expressar os sentimentos negativos, sob pena de prejudicar a nós ou às pessoas que estão no entorno. A opção é refletir sobre a emoção perturbadora, meditando sobre ela, ou seja, simplesmente observando a emoção, sem lhe dar força através do sentimento.Quando conseguimos gerenciar a emoção negativa através da meditação conseguimos neutralizá-la. Outra atitude que ajuda muito é ajudar, e se possível dar o que as pessoas precisam para estarem bem no que tange a condições mínimas de sobrevivência.

Propósito e significado precisam estar em nossas vidas para combater os estados emocionais doentios, e estes são vivenciados através dos arquétipos (bondade, amor, justiça, beleza, holdness) e  através do significado investindo na exploração dos chakras: inicialmente o cardíaco através do amor, depois o da garganta, trocando a raiva por amor, em seguida através do chakra do terceiro olho, pois através do amor ele se abre e possibilita que se explore os arquétipos, sendo possível expressá-los através da garganta, e encontra-se o significado.

O ego é considerado um inimigo quando traz sofrimento por carregar muito medo, tudo está centrado no "eu", inúmeras vezes sob uma perspectiva negativa. Se o ser consegue direcioná-lo para o amor, torna-se aberto à criatividades e consegue utilizá-lo para um bem maior. Então basta saber usá-lo apropriadamente para que o ego torne-se nosso amigo, nos movendo para uma felicidade mais completa ao invés de bloqueá-la.