Instinto, intelecto e intuição

Somos constituídos por instinto, intelecto e intuição, permeados por inconsciente e inteligência.

O instinto - corpo físico - é muito importante pois através dele o nosso sistema biológico é mantido. Pesquisas indicam que para manter esse sistema funcionando perfeitamente seria necessário, para cada pessoa, uma fábrica com 4 km quadrados e ainda assim haveria o risco de que o sistema falhasse, pois máquinas falham. As funções são preservadas inclusive durante o sono. Se essas funções ficassem a cargo do intelecto poderíamos nos esquecer de algum comando, o que causaria rapidamente um colapso.





O intelecto é a mente e funciona como uma ponte entre o instinto e a intuição. Pode ser utilizado para nos prejudicar ou para promover nosso acesso à intuição, a escolha é de cada um. O problema acontece quando se estaciona no intelecto acreditando ser esse o nosso melhor potencial, quando não é. Osho usa como metáfora uma ponte: de um lado está o instinto, do outro, a intuição (nossa casa interior), e o intelecto serve  para dar ideias de como atravessamos de um lado para o outro. Quando, ao invés de ir em frente, o intelecto estaciona na ponte e resolve construir sobre ela a casa, temos a estagnação, pois não estamos seguindo a orientação natural para a consciência. O intelecto serve como uma ferramenta a nosso favor no caminho do crescimento, porém nossa cultura nos leva a tratá-lo como se este fosse o nosso comandante.



A intuição é a nossa consciência e o objetivo é que esta esteja livre para comandar a vida de cada um. Em sua forma limpa e sem ruídos é o que há de mais seguro a ser seguido. Todos os aspectos citados  fazem parte de nossa constituição natural e devem ser amados, acolhidos. O instinto reprimido faz com que características naturais eclodam de forma exacerbada e distorcida. O intelecto reprimido faz com que o inconsciente absorva informações e crenças negativas, gerando decisões e ações equivocadas, distorcidas, desencadeando o processo de autossabotagem, e impedindo que a verdadeira inteligência venha à tona, trazendo a sabedoria da intuição.

Aliás, ser intelectual não significa ser inteligente. O intelecto significa conhecimento, inteligência significa o despertar da intuição. Por esse motivo não raras vezes pessoas muito estudadas não conseguem encontrar soluções e respostas com tanta facilidade quanto pessoas humildes, com pouco estudo, mas com o dom de deixar a vida fluir - para essas ouvir a inteligência do coração é natural.

Além do acolhimento de nossas características naturais, aprender a diminuir gradativamente o barulho do intelecto e praticar regularmente meditação são caminhos seguros para a travessia a ponte. A meditação pode ser bem difícil no começo pois o ego, comandante do intelecto, irá se debater quando perceber que está perdendo o controle, o que faz parte do processo. Não desistir leva ao caminho da paz interior e posteriormente, ao emergir das melhores e mais adequadas respostas interiores.



Periodicamente estaremos publicando técnicas variadas de meditação.

imagem: pixabay