Mude as ondas cerebrais, mude o estado de consciência

A ideia científica das ondas cerebrais entrou na mídia popular como pode ser percebido na arte, no cinema e na ficção científica. A imagem de uma pessoa com eletrodos em seu couro cabeludo enquanto suas ondas cerebrais estão sendo gravadas é quase tão comum quanto o símbolo do átomo ou as representações mostrando a ascensão do homem de acordo com a evolução. No entanto, muito poucas pessoas estão cientes do fato de que nossas ondas cerebrais podem ser alteradas e, mais importante, mudando para diferentes estados de atividade das ondas cerebrais, podemos rapidamente mudar nosso estado de consciência, como por exemplo, de ansiedade ao estado de profunda calma e abertura. Ao fazer isso, também mudamos nosso estado emocional e físico à medida que correspondem àquele nível de ondas cerebrais.



Como funciona isso?


O cérebro produz impulsos elétricos. Esses impulsos podem ser registrados por dispositivos específicos para essa finalidade e são mostrados como ondas de velocidades ou frequências variadas. A velocidade das ondas cerebrais é medida em Hertz - ciclos por segundo. Existem quatro categorias gerais de níveis de ondas cerebrais: Beta, Alfa, Theta e Delta.

Beta: este é o estado em que você está quando está em seu estado normal de consciência. Se a sua mente está ocupada com algo como estar envolvido em uma conversa ou pensar em resolver um problema, é predominantemente eminentes ondas cerebrais no nível Beta. As ondas beta são relativamente mais rápidas que as outras três categorias, mas têm uma pequena amplitude. Eles variam entre os 12 Hz e 38 Hz.

Alfa: quando você está em um estado calmo e relaxado, digamos que você está passeando vagarosamente em um parque ou você está relaxando em um café observando o mundo passar, sua mente possivelmente estará trabalhando essas ondas cerebrais. Práticas que visam relaxar o seu estado de espírito, como a meditação ou certos exercícios de respiração, levam a mente para entrar no estado Alfa, que varia entre 8 Hz e 12 Hz. Portanto, as ondas cerebrais alfa são mais lentas, mas têm uma amplitude maior

Theta: o estado Theta é o intervalo de ondas cerebrais mais interessante porque é um estado no qual certas transformações podem ocorrer. As ondas cerebrais da Theta são mais lentas, variando de 3 Hz a 8 Hz, e correspondem a estados mentais de quando se está em transe, meditação profunda, sonhando acordado, visão criativa e visões. A faixa de ondas cerebrais da Theta está associada à aprendizagem profunda e à memória. Quando você está na faixa de ondas cerebrais Theta, está mais aberto e receptivo para integrar informações em sua memória de longo prazo. A maioria dos momentos de insights também acontecem durante a atividade de ondas cerebrais de Theta.

Delta: as ondas cerebrais Delta estão associadas ao sono sem sonhos. Por isso, acontecem quando você está nessa fase do seu ciclo de sono, ou seja, quando não está sonhando, apenas descansando. Eles também estão associados ao estado de cura e regeneração.

De acordo com o doutor Rima Laibow, os bebês até dois anos de idade operam na maior parte do tempo na faixa Delta e dos 2 aos 6 anos de idades, na faixa Theta. Só após os sete anos passam a operar prioritariamente nas faixas Alfa e Beta. Isso explica por quê as crianças são como "esponjas",  nas fases iniciais de sua vida, com capacidade para armazenar um volume fantástico de informação e ajudar em sua adaptação e sobrevivência no ambiente. Os hipnoterapeutas induzem o cliente a entrar em estado Delta e Theta por ser ampliar a capacidade de absorver sugestões e programações. A meditação também tem por objetivo, alterar o estado das ons cerebrais, promovendo interiorização.

Simplificando, é possível permitir que as ondas cerebrais se alinhem e sincronizem com uma frequência sonora externa. Então, por exemplo, ao ouvir uma música especial que tem frequências na faixa alfa, você deve começar a relaxar depois de um tempo, porque suas ondas cerebrais começarão a sintonizar essas frequências e, portanto, diminuirão de frequências beta para alfa. Existem várias faixas de música chamadas sons binaurais que são projetadas de forma que os canais esquerdo e direito são pensados de forma a atuar na frequência-alvo que você gostaria de alcançar - por exemplo, a freqüência de ondas cerebrais Theta.

O efeito é que ,quando você coloca fones de ouvido e ouve, sua mente começa a sintonizar a freqüência Theta após um breve período, o que significa que você começa a entrar em um estado diferente de consciência, semelhante a quando você está em meditação profunda. ou em transe. É importante utilizar sons binaurais de qualidade, provenientes de fontes confiáveis. Neste link --> AQUI é possível baixar gratuitamente sons binaurais para despertar diversos sentimentos, bastando colocar os dados nos campos indicados.

O principal objetivo de atuar nas ondas cerebrais é alterar seu estado e, assim como a meditação, entrar em um nível diferente de consciência. Uma boa ideia é fazer uso desses estados para reprogramar a mente para uma profunda mudança transformadora enquanto estiver no estado mental da Theta, o que exige um pouco de prática, mas é possível. Afinal, quando seu cérebro está nesse estado, está muito aberto ao aprendizado profundo. Há muito menos obstrução da parte crítica e analítica do cérebro, sendo possível falar diretamente com a parte inconsciente, tornando mais provável que ele trabalhe nas intenções e comandos que você está dando. Nesse estado, é possível alívio da dor ou ter insights sobre um problema ou situações.

As possibilidades são infinitas. Os estudos do potencial neste campo estão só começando, sendo uma das ferramentas mais poderosas disponíveis, que faz uso de insights sobre como a mente trabalha em conjunto com a tecnologia moderna.

Obs: se você tem alguma doença física ou mental, incluindo esquizofrenia, distúrbios do sono ou epilepsia, você deve consultar um especialista antes de ouvir qualquer um dos áudios binaurais. Se você sentir desconforto a qualquer momento durante a meditação, pare e consulte um médico.


Fonte: Gilbert Rose e livro A Biologia da crença/Bruce H. Lipton

Imagem  Pixabay