Mindfulness: ser autoconsciente ou ter ausência de consciência?

O que é Mindfulness? Fenomenologicamente, Mindfulness é o sentimento de envolvimento ou engajamento ativo. Como as pessoas conseguem isso? Aprender a ser consciente não requer meditação. É o processo simples de perceber ativamente coisas novas.



Ao realizar ativamente distinções de romance/ilusão (ou mudança de perspectiva), as pessoas tornam-se fundamentadas no presente, sensíveis ao contexto e à perspectiva, e apreciam melhor que, embora possam seguir as regras e rotinas, essas regras e rotinas devem orientar e não governar seu comportamento.
Não é difícil entender as vantagens de viver a vida no presente. Ao residir no presente, é mais fácil reconhecer novas oportunidades e evitar possíveis perigos que ainda não surgiram. De fato, a maioria das pessoas pensa que elas estão no presente, quando, na verdade, elas não estão conscientes o suficiente para reconhecer que não estão.
Viver conscientemente significa permanecer em um estado consistente de consciência, no qual estamos conscientes do contexto e do conteúdo da informação percebida. É um estado de abertura à novidade em que uma pessoa constrói ativamente categorias e distinções da realidade em vez de seguir somente a percepção.
Em contraste, a ausência de consciência é um estado de espírito caracterizado por uma confiança excessiva em categorias - rótulos - e distinções absorvidas no passado, nas quais o indivíduo é dependente do contexto e, como tal, torna-se alheio a aspectos da situação que são ou baseados na realidade, ou apenas experimentado de uma perspectiva alternativa.
A falta de consciência é comparada a conceitos mais familiares, como hábito, superaprendizado e processamento automático ou controlado. Como esta de inconsciência, essas ideias dizem respeito ao comportamento invariável rígido que ocorre com pouca ou nenhuma percepção consciente.
A ausência de consciência é um estado inativo da mente que é caracterizado principalmente pela confiança nas distinções que uma pessoa absorveu no passado. Quando as pessoas vivem a vida sem pensar, elas ficam presas em uma perspectiva rígida, insensíveis a como o significado muda dependendo de mudanças sutis no contexto. O passado domina, e eles se comportam muito como autômatos sem saber, onde regras e rotinas governam em vez de guiar o que fazem.
Na maioria das vezes, eles congelam sua compreensão e se esquecem de mudanças sutis que de outra forma os levariam a se comportar de maneira diferente, se ao menos tivessem consciência das mudanças. Como se tornará aparente, a falta de atenção é generalizada e onerosa e opera em todos os aspectos da vida das pessoas. Embora as pessoas possam ver e sentir isso em outras pessoas, elas geralmente não enxergam isso em si mesmas.
Por exemplo, a maioria das pessoas teve uma experiência de dirigir e, eventualmente, perceber que eles fizeram parte da viagem no piloto automático. O piloto automático é uma excelente ilustração da vida sem mente autoconsciente. Outro exemplo de repetição irracional é quando as pessoas aprendem alguma coisa praticando-a, de modo que eventualmente se torna como uma segunda natureza para elas.
As pessoas também ficam desatentas quando ouvem ou leem alguma coisa e a aceitam sem questionamentos ou críticas objetivas. A maior parte do que as pessoas sabem sobre o mundo ou sobre si mesmas aprenderam dessa maneira sem pensar.Quer as pessoas fiquem desatentas com relação a uma exposição inicial à informação, ou, múltiplas exposições ao longo de um período, elas, sem saber, se trancam em um único entendimento de informação. Isso pode ser compreendido como uma perspectiva unilateral ou mentalidade fechada.
Custos da falta de atenção
Com essa compreensão da diferença entre falta de atenção e atenção plena, é importante que entendamos os custos de viver sem pensar.
Se você aprendeu a dirigir há muitos anos, pode ter sido ensinado que, se precisasse parar seu carro em uma superfície escorregadia, a maneira mais segura de fazer isso é devagar e gentilmente bombeando o freio. Hoje, a maioria dos carros novos tem freios antitravamento. Para parar em uma superfície molhada agora, a coisa mais segura a fazer é pisar no freio com firmeza e segurá-lo. Quando pegos no gelo, aqueles que aprenderam a dirigir anos atrás ainda irão suavemente bombear os freios. O que antes era seguro agora é perigoso. O contexto mudou, mas o comportamento deles continua o mesmo.
Na maior parte do tempo, as pessoas ficam desatentas. É claro que eles não sabem quando estão nesse estado mental porque não estão lá para perceber. Para notar, eles devem tornar-se conscientes.
A maior parte do que as pessoas aprenderam podem não considerar as informações em diferentes contextos. Por exemplo, os livros didáticos nos dizem que os cavalos são herbívoros - isto é, não comem carne. Mas, embora normalmente isso seja verdade, se a carne estiver disfarçada ou se o cavalo receber quantidades minúsculas de carne misturada com seu alimento crescendo, o cavalo pode muito bem comer carne.
Quando as pessoas aprendem lições de vida sem pensar, elas tomam a informação que lhes é apresentada como verdadeira e não consideram as condições em que isso pode não ser verdade. É assim que as pessoas aprendem mais coisas. É por isso que algumas pessoas vivem comumente erradas, mas raramente em dúvida.
Quando uma figura de autoridade dá informações a alguém que vive sem pensar, normalmente não ocorre às pessoas questioná-lo. Eles aceitam e ficam presos na mentalidade, alheios a como poderia ser de outra maneira. As figuras da autoridade são tão capazes de chegar a conclusões erradas quanto todas as outras pessoas no mundo, e o que pode ser visto como irrelevante hoje pode ser visto como altamente relevante amanhã.
A maioria das ideologias e crenças que as pessoas têm inicialmente foram apresentadas a elas como declarações em uma linguagem simples. Uma criança, por exemplo, pode ser informada: “Uma família consiste de um pai, mãe e filhos que moram juntos.” Tudo ficará bem com esta afirmação, a menos que, por exemplo, os pais se divorciem, caso em que isso acontecerá. já não se sente bem com a criança quando lhe dizem: "Ainda somos uma família".
A linguagem muitas vezes liga as pessoas a uma única perspectiva limitadora, com a falta de atenção como um resultado direto. Como os estudantes da semântica geral nos dizem, o mapa não é o território. O mapa não é o território que ilustra metaforicamente as diferenças entre crença e realidade.
O mapa não é o território foi inicialmente cunhado por Alfred Korzybski. Nossa percepção do mundo está sendo gerada por nosso cérebro e pode ser considerada como um "mapa" da realidade escrito em padrões neurais. A realidade existe fora da nossa mente, mas podemos construir modelos deste "território" com base no que vislumbramos através dos nossos sentidos.
Então qual é o ponto?
A maioria das divergências, discussões, brigas e guerras vem do fato de não reconhecer todos os fatores, todas as visões e de confiar em mapas da realidade que não correspondem ao que está acontecendo na realidade. As pessoas argumentam com base em seus próprios mapas e percepções ou realidade limitada, e muitas vezes não conseguem perceber que outras pessoas usam mapas diferentes que são apenas resultado de uma vida sem mente também.
Para encerrar este artigo, GJJohanson, PhD, discutiu uma vez a atenção plena da seguinte maneira:
“Para propósitos clínicos, a atenção plena pode ser considerada um estado distinto da consciência comum da vida cotidiana. Em geral, um estado consciente de consciência é caracterizado pela consciência voltada para a experiência sentida presente. É passivo, embora alerta, aberto, curioso e exploratório. Procura simplesmente estar ciente do que é, em oposição a tentar fazer ou confirmar qualquer coisa. 
Assim, é uma expressão de não fazer ou de não se esforçar, onde se suspende autoconscientemente agendas, juízos e entendimentos comuns tradicionais. Ao fazê-lo, pode-se rapidamente perder a noção do espaço e do tempo, como uma criança brincando que se torna completamente engajada na atividade diante dela. Além da capacidade passiva de testemunhar a experiência à medida que ela se desdobra, um estado consciente de consciência também pode manifestar qualidades essenciais, como compaixão e aceitação; qualidades que podem ser positivamente utilizadas no que é percebido.
Essas características contrastam com a consciência comum, apropriada para muitas vidas no mundo cotidiano, onde a atenção é ativamente direcionada para fora, em espaço e tempo regulares, tipicamente a serviço de alguma agenda ou tarefa, na maioria das vezes regida por padrões de resposta habituais. em geral, tem um investimento nas teorias e ações de uma pessoa ".
Essa é uma ótima maneira de definir a atenção plena (Mindfulness)!
Então, na tentativa de honrar a simplicidade, aqui está o ABC da atenção plena que qualquer um pode seguir:
Apreciar: Cada momento presente, o que você está fazendo. A gratidão estica o coração e aumenta a consciência do momento presente.
Pratique o ser: Somos seres humanos, não feitos humanos. Pratique estar em paz consigo mesmo todos os dias, pois a quietude e o silêncio são uma dádiva de vida!
Mantenha a mente limpa: M. Eckhart, um teólogo medieval, certa vez sugeriu: "A vida espiritual é mais uma de subtração do que de adição". Remova a estática de sua vida e qualquer coisa que não esteja servindo a você ou a outras pessoas que você conhece.
Em breve, Curso de  Mindfulness Master no Portal Desperta Luz - www.portaldespertaluz.com