Espelhos da realidade: 1. O Momento


Sob a perspectiva quântica, a realidade é uma projeção do que se passa interiormente, seja a nível consciente ou inconsciente. Como o inconsciente domina cerca de 90% da nossa mentalidade, os pensamentos e sentimentos que estão neste nível dominam a realidade. A questão é que, como estão num nível o qual não conseguimos perceber conscientemente, a maior parte das pessoas age a partir das crenças limitantes e mecanismos de autossabotagem, que correspondem a esses padrões do inconsciente.

Para que a pessoa passe a agir de forma mais consciente em prol de seus objetivos e qualidade de vida, libertar esses padrões do inconsciente é fundamental, ao mesmo tempo em que se fixa em novos pensamentos e sentimentos mais alinhados com suas aspirações. Dessa forma, há a possibilidade da retomada das rédeas da vida.

Para reconhecer esses padrões escondidos e dominantes, a realidade externa pode ser uma grande aliada, uma vez que projeta o que há no interior.  Gregg Braden escreveu sobre alguns espelhos que podem ser muito úteis neste processo.

O 1º espelho é o Espelho do Momento. Este espelho refere-se ao que está acontecendo no próprio entorno - os contextos e as pessoas com os quais convive, ou aparecem na sua realidade. É um espelho muito útil porque através dele, a percepção equivocada pode ser identificada em instantes, e a partir do momento que foi reconhecida, pode ser transformada rapidamente. A identificação acontece quando a pessoa consegue perceber um padrão que se repete em situações diferentes.

Por exemplo: alguém ataca a pessoas com acusações de desconfiança; em outro momento, alguém pede que essa pessoa lhe dê provas de que conseguirá terminar seu trabalho a tempo, mostrando que não confia em seu comprometimento ou capacidade; finalmente, assiste a uma reportagem no qual uma desconfiança teve fundamento. Naturalmente, o espelho do momento mostra que a crença dominante no presente está ligada à incapacidade de confiar - seja no outro, ou em si mesmo - não se sente confiável.  Identificando o padrão, a pessoa pode iniciar imediatamente um trabalho de limpeza interior com ferramentas como Ho'oponopono e/ou PNL, substituindo as crenças de desconfiança por outras como "é seguro confiar" ou "sou plenamente confiável".

O mais difícil é se lançar a este processo, pois, se a pessoa está vivendo em um determinado contexto - neste caso, de desconfiança - tende a reforçar o sentimento e pensamento dominante, quando na verdade, precisa ir na contra-mão, limpando esses padrões. Neste caso, como fomentar a confiança se tudo o que vê, é desconfiança? Como fomentar amor se o contexto mostra raiva ou rejeição? Como fomentar generosidade em um contexto de egoísmo? Como fomentar perdão em um contexto de mágoa? Como fomentar alegria se só vê ou sente tristeza? Este é um dos grandes segredos para mudar a realidade: só mudando os padrões internos, os externos serão transformados, e esta é a grande utilidade deste espelho. Através dele pode-se mudar qualquer padrão de realidade, ou seja, qualquer sentimento ou atitudes que estão espelhadas no dia a dia.

Outra dificuldade reside em reconhecer que, o que acontece no entorno, é um reflexo pessoal. O mais frequente é a pessoa buscar encontrar culpados para os problemas que enfrenta, ou se sentir injustiçada e vítima das circunstâncias, dois conceitos que caem por terra quando a perspectiva passa a ser si próprio como agente principal da realidade. O lado bom é que, quando a pessoa compreende que a realidade é um reflexo do interior, pode mudar a realidade a qualquer momento, mudando os conceitos interiores - sem que dependa de mudanças externas, como tem vivido até o momento.

O próximo post falará sobre o segundo espelho da realidade.