As diferenças entre ansiedade, angústia e agonia

As emoções - manifestações fisiológicas que repercutem em sensações - geram sentimentos que podem ser confundidos devido à proximidade de suas características. Perceba a diferença entre esses três estados:





- Ansiedade: é gerada pela sensação futuro. Quando a pessoa passará por uma situação nova, desconhecida, uma conversa mais elaborada, precisa tomar uma decisão importante, assume maior quantidade de responsabilidade, a expectativa pelo resultado gera esse sentimento. A ansiedade é normal, ficar em alerta diante do novo, de novas atribuições, faz parte da natureza humana, que no íntimo sempre busca acertar, obter resultados positivos e satisfatórios. O descontrole sobre a  ansiedade, por outro lado, é extremamente problemático, pois pode paralisar, gerando neuroses e ainda mais grave, estados de agonia. Para melhorar a ansiedade é preciso buscar manter o foco no presente, realizando ações que possam levar ao objetivo desejado, buscar focar em soluções e não, nos problemas, fracionar tarefas de forma a conseguir dar conta de tudo, aos poucos, lembrar de realizar atividades que proporcionem prazer e relaxamento. Com a certeza de que se está fazendo o melhor hoje para produzir o fruto amanhã, a ansiedade tende a se suavizar.

- Angústia: outro sentimento natural, gerado pela certeza de nossa finitude. A angústia surge sempre que a pessoa se dá conta de que o tempo passa e com ele, seu tempo biológico tende a se esvair. Perceber que a morte é um fato inevitável faz com que a pessoa sinta-se angustiada se não estiver conseguindo realizar no presente o que planejou para sua vida, desenvolvendo a sensação de que "não dará tempo", ou quando o que realiza não traz os resultados almejados, o que traz frustração. Aproveitar cada momento possível para viver o que lhe traz satisfação e nortear os planos nesse sentido diminui a sensação de angústia.

- Agonia: o sentimento mais preocupante dos três, a agonia é a sensação de que o sofrimento que se está vivendo não terá fim. Quando a pessoa encontra-se em um estado de dor - seja física ou emocional - e não consegue ter a expectativa positiva de que tal estado irá acabar, passa a viver com sentimento de agonia, onde não há esperança. Esse estado merece alerta, pois pode levar ao desenvolvimento de psicoses, que precisam de ajuda terapêutica experiente para sua resolução. Identificar desequilíbrios físicos e emocionais precocemente, buscando tratá-los o quanto antes, pode ajudar a evitar chegar ao estado de agonia.