Perspectivas sobre sonhos, sono e funcionamento cerebral

O sonho é uma realidade na vida de todos, seja lembrando de seu conteúdo ou não. Ele acontece em um dos estágios de sono e emerge do inconsciente. Para compreender melhor vale conhecer os níveis de funcionamento cerebral:



- No estado desperto em geral o ser humano opera em Beta (12-40Hz), frequência de extrema lógica e raciocínio. Embora seja útil para as atividades cotidianas, o cérebro nesse estado também propicia o stress devido à velocidade de processamento das informações, despertando o crítico interior e causando "barulhos" desnecessários e cansativos. O estado Beta é onde está a maior parte das pessoas quando faz a transição de vigília para sono;


- O estado Alpha (7-12 Hz) é um estado de maior relaxamento cerebral, onde os pensamentos são processados em velocidade mais baixa e onde a voz do crítico interior perde força. Inciados e praticantes em grau de Mestrado no Reiki operam nessa faixa cerebral. Nesse estágio é mais fácil ouvir a intuição, realizar reprogramações mentais, ficar menos suscetível ao stress, obter maior capacidade de concentração, aprendizado e memória. É o estágio da meditação e do sono leve, onde o organismo desacelera.

- Estado Theta (4 a 7 Hz) é um pouco mais profundo que o anterior, onde acontece o REM (Rapid Eyes Moviment), considerado paradoxal, pois o corpo está muito relaxado mas o cérebro está hiperativo, processando inúmeras informações. É o estado onde os sonhos acontecem e onde é possível realizar técnicas para indução de sonhos lúcidos - estados em que a pessoa acorda conscientemente dentro do sonho para "conversar" com o inconsciente.

- Finalmente, chegamos ao modo de reparo, onde o cérebro funciona em ondas Delta (0,5 a 4Hz) e acontece a regulação e reparação do corpo, células, sistema imunológico, considerado o estado mais importante a nível fisiológico.

Há ainda o estado Gama, frequência registrada em 40Hz, onde acontecem os insights. Se somos acordados durante o estado de reparação, independente do horário - uma vez que os estágios se repetem de 4 a 6 vezes por noite - possivelmente acordaremos destruídos, como se não tivéssemos dormido nada.

Sob a perspectiva dos sonhos, estes são acessos ao inconsciente e podem revelar informações muito úteis, uma vez que a dimensão da causa é o inconsciente e a dimensão do consciente é a das consequências. É como se durante o sonho fosse aberta uma janela direta para essa dimensão a qual não temos acesso em estado consciente. Explora-se ainda algumas vertentes que pertencem aos sonhos:

- Projeção mental - o sonho representa a realidade que penetramos no inconsciente, ou seja, o conteúdo que está ali e que interfere em nossos pensamentos, sentimentos e atitudes no consciente sem que possamos perceber. Pode referir-se também a algo que está sendo reprimido e/ou nossas dificuldades para lidar com nossas sombras. Sonhos premonitórios raramente referem-se a acontecimentos marcados para o futuro, a não ser que sejam fruto de nossa própria criação mental, ou seja, grandes possibilidades de acordo com o que estamos alimentando através de pensamentos e sentimentos. Ainda assim sabemos que fora do espaço-tempo nossos maiores medos podem ser modificados produzindo uma realidade diferente, então as premonições, nesse sentido, não são uma realidade a não ser que se insista nisso;

- Lembranças de experiência fora do corpo: acontecem quando houve uma vivência através da viagem astral e tendem a perdurar na lembrança por mais de três dias. Nesses sonhos as leis físicas são quebradas, é o que sinaliza esse tipo de sonho - por exemplo, a pessoa atravessa paredes;

- Acesso a eus paralelos: o sonho representa o acesso a outras versões nossas vivendo em outras dimensões (sobre eus paralelos leia esse post ---> aqui). O ser sente-se integrado ao personagem, porém sem sentir que é a pessoa, é como se estivesse observando o outro eu, e não consegue interferir no que está presenciando.

Sabe-se ainda que sonhos recorrentes possivelmente são neuroses que precisam ser elaboradas, compensando algo que não está sendo feito, seus medos ou sombras, ou representam o retorno a uma realidade paralela que tenta sinalizar algo.

De acordo com Amit Goswami os sonhos podem trazer informações muito úteis para o consciente se forem interpretados com ponderação e conhecimento. Jung e Freud também tiveram em sonhos seus objetos de estudo. De qualquer forma uma linha geral nos diz que o sonho é uma manifestação do inconsciente que, quando trazida à tona, pode ser elaborada e liberada, interferindo no consciente de forma muito produtiva. Ao contrário, se absorvemos uma realidade negativa vivenciada no sonhos, podemos trazer essa perspectiva para o consciente de forma imperceptível, prejudicando nossa vida a nível consciente.

Para obter noites de sono que possam produzir sonhos reveladores, algumas dicas são importantes:

- Deixe o quarto totalmente escuro, o que inclui as luzes de led apagadas;
- Tome muita água durante o dia para hidratar o corpo, pois o estado de reparação precisa disso para ser eficaz;
- Procure manter o celular distante pelo menos 1 metro de si para não sofrer interferência do seu campo eletromagnético
- Desligue sempre a televisão, pois as informações emitidas caem direto no inconsciente durante o sono, sem filtro, provocando resultados desastrosos uma vez que esse é um dos mecanismos de controle da mídia;
- Procure dormir a partir das 23, 24 hs, horário em que o corpo está predisposto para o sono.
- Procure ter um diário para anotar os sonhos ou contá-los em áudio no celular, sempre em primeira pessoa e no presente (como se estivesse ainda no sonho). Revise periodicamente as anotações e procure perceber qual é o padrão entre eles, podendo revelar o que precisa ser trabalhado.

Se tiver um sonho desagradável, após realizar as anotações, procure tirar a cor, congelar as cenas e torná-lo mudo cada vez que este viver à memória. Esta é uma técnica eficaz de PNL para tornar as possibilidades de realização menos prováveis. Ao contrário, se for um sonho que deseja muito que aconteça, procure lembrar com cor, formas, cheiros, sons, sensações, bem marcados e brilhantes, potencializando sua possibilidade de realização.

Para quem deseja saber mais, a ciência que estudo os sonhos chama-se onirologia.