Parte final: Como acertar o alvo das necessidades




Após as etapas anterior - valores, práticas e ferramentas - chegamos ao campo inerente a todo ser: as necessidades. 

O sucesso depende de onde está sendo concentrada a força essencial do indivíduo, sua energia de realização. Para que a vida seja satisfatória é preciso acertar o alvo das necessidades individuais. Quanto mais colocamos o alvo em valores distantes do centro, mais estamos mais propensos a errar.

6 - Certeza e conforto: é a habilidade para evitar dor trazendo prazer. Faz parte dessa esfera quem prioriza a sensação de segurança, conforto e controle mínimo sobre a vida. São sem dúvida itens de necessidade do ser humano, mas não podem estar sempre acima de tudo, pois mostram o domínio do cérebro reptiliano quando o objetivo central passa a ser ficar na zona de conforto. É um paradoxo em relação à:

5 - Variedade: acontece rotina paralisa e então se busca variedade (desafios, aventuras, imprevistos). O problema é quando a variedade deseja se conquistar a qualquer preço, colocando-se em situações complicadas por conta disso. Portanto,o tipo de variedade que se procura  pode ser um paradoxo em relação à:

4 - Significância - investir naquilo que faz o ser sentir que a vida vale a pena. Tudo acontece a partir do significado que damos às situações em contraponto à realidade de fato, ou seja, se temos certeza ou variedade mas estas não trazem sentido, luz para a vida, então é preciso buscar o que o faça. Porém, a significância pode gerar um paradoxo se o ser precisar magoar ou desprezar o outro para se sentir importante. Esse é um sentimento que nasce da insegurança e gera um paradoxo em relação à:

3 - Amor e conexão - nesse ponto o ser percebe que o isolamento emocional gera sentimentos vazios e compreende a necessidade de se relacionar com as pessoas de maneira saudável, ou seja, superando os estágios anteriores: a acomodação da certeza, a instabilidade/impulsividade da variedade e a frieza da significância se esta tomar uma proporção arrogante. Mas o amor e a conexão não podem impedir o crescimento pessoal e o exercício do si mesmo, por geraria um paradoxo em relação à:

2 - Crescimento - o indivíduo nasceu para compartilhar, crescer, evoluir, e quando se sente estacionado, estagnado, inevitavelmente acarreta impactos negativos. Por outro lado o crescimento, além de individual, para que seja satisfatório, precisa contribuir para o crescimento de outras pessoas, sem interesse de retribuição. O último paradoxo então é: 

1 - Contribuição - o centro do alvo. Segundo Robbins, quando nos sentimos que estamos contribuindo com nossos valores essenciais, com as habilidades do nosso eu interior, naturalmente crescemos, geramos amor e conexão, tornamos nossa existência significativa e encontramos equilíbrio entre variedade e certeza. 

De posse dessas quatro etapas, é por mãos à obra em relação à reflexão, reformulação e planejamento de sonhos, transformando-os em objetivos, metas e ações.


Vale destacar que Anthony Robbins é um dos principais coachs da atualidade, especializado na reformulação e sucesso de uma série de celebridade em todas as esferas, com vários livros com muitas outras dicas especialmente baseadas em Programação NeuroLinguística e adequação  fisiológica.