O cérebro reptiliano

O cérebro reptiliano ou Complexo-R  é uma parte do nosso cérebro muito profunda ligada a memória ancestral,  do tempo em que o ser vivia em cavernas e  no qual o seu instinto de sobrevivência se sobressaia a qualquer outra necessidade.  O ser precisava estar alerta o tempo todo,  utilizando mecanismos de reação e fuga,  para conseguir abrigo, comida e preservar sua vida.

imagem daqui

Alguns estudos dizem que as informações provenientes dessas memórias estão gravadas na retina. A nossa resposta ao mundo mostra se estamos dominados pelo cérebro reptiliano ou se já atuamos em uma esfera mais desenvolvida, sob domínio do néocortex, uma parte do cérebro mais desenvolvida, atuando através da criatividade e do conhecimento, e não, do instinto.


Abaixo estão sucintamente as principais características que eclodem do cérebro reptiliano:


  • Auto-preservação:  entende que reações de luta e fuga são uma questão de sobrevivência onde prevalece o mais forte e habilitado.
  • Autossabotagem: impede que se aprenda de forma eficiente com os erros,  fazendo com que se repita os mesmos erros através dos mecanismos impressos no cérebro,  especialmente na infância.  A única forma de combatê-la é jogar fora crenças negativas e substituí-las por outras mais adequadas e positivas.
  • Medo:  principal sentimento do cérebro reptiliano, faz com que se procure segurança absoluta o tempo todo. Faz com que traumas trazidos trazidos à memória provoquem a mesma reação de quando aconteceram,  bloqueando o indivíduo.
  • Agressividade: faz com que se procure poder e controle absoluto o tempo todo custe o que custar, provocando em alguns indivíduos uma postura cruel e impiedosa sobre aqueles que buscarem interferir em seu caminho.
  • Compulsão:  nasce da insatisfação por medo de não ter o suficiente.
  • Entropia psíquica: gerada por falta de foco mental. Quando o cérebro reptiliano percebe que está perdendo o controle para o neocórtex -  responsável por devolver ao indivíduo o controle sobre seus pensamentos e sentimentos e portanto, capaz propiciar maior positividade - faz de tudo para retomar sua posse bombardeando o indivíduo com pensamentos e sentimentos negativos.
  • Desejo de controle: persegue o controle sobre tudo o tempo todo. Não se sente à vontade com a incerteza natural do universo e suas infinitas possibilidades, que são na verdade, positivas, pois propiciam crescimento e busca por uma vida mais satisfatória. Qualquer informação em direção à expansão de consciência é interpretada pelo cérebro reptiliano como um absurdo com o intuito de conter o crescimento do indivíduo, o que geraria sua perda de controle.
  • Ganância: deseja possuir tudo para obter segurança,  portanto nada é o suficiente. Quando alcança o que quer, aumenta o objetivo, numa insatisfação eterna. Para possuir tudo busca o tempo todo controlar o território.
  • Hierarquia: segue ordens que causam problemas para os outros sem questionar com o intuito de manter sua posição de controle em manutenção do status quo.
  • Superstição e tradição: o ser se apega a eles como meio de manter a rigidez dos seus padrões. não aceita nada que está fora do que está arraigado no seu sistema de crença. Gera dificuldades para conhecer e compreender novos padrões de realidade
  • Traumas sexuais: um meio de controlar os indivíduos, uma vez que esses traumas nascem do cérebro reptiliano, por esse motivo o sexo é reprimido pela sociedade, com o intuito de manter o controle do sistema.


Um filme muito interessante para mostrar os impactos do cérebro reptiliano já quando estão culminando é o filme "Poder sem limites", onde três garotos recebem extra poderes e cada um age/reage de uma forma. Apesar de ser uma história mediana, observar a evolução de um dos garotos que se deixa levar por sentimentos de medo, raiva insegurança e solidão - desdobramentos do Complexo-R - pode ser bem eficiente no entendimento dos mecanismos que precisamos aprender a controlar. Também é interessante para mostrar por quê o ser humano não tem capacidade para colapsar uma transformação de realidade instantaneamente - seria um caos se a colapsássemos sob efeito da raiva ou medo! 

Para permitir que o néocortex prevaleça é preciso investir em limpeza das crenças limitantes, alimentando pensamentos positivos e sem colocar outros negativos no lugar, o que impactará na mudança dos sentimentos; manter o estado de gratidão constante e atitudes que reconectem o ser com a capacidade de amar incondicionalmente.