Isomorfismo - em coerência com o Universo

Nossa cultura e sociedade nos ensinaram a condicionar  nossa felicidade, chamada de felicidade de processo, em algo externo, quando nos alegramos com nossas conquistas profissionais, materiais, relacionais. Não há problema nisso, mas essas felicidades passam brevemente.



É preciso compreender que já trazemos a felicidade dentro de nós de forma inerente, chamada de felicidade plena, e essa felicidade acontece no agora, quando tomamos o conhecimento de que eu sou o Eu Sou, não importa se há o que eu quero ou não. Encontramos essa felicidade no espaço vazio que existe no hoje o tempo todo, e o ideal é levarmos essa felicidade de paz plena à felicidade de processos, ao nosso meio ambiente, aos nossos relacionamentos, e não ao contrário como é de nosso costume.



Por exemplo, esperamos ter algo para então manifestar satisfação. É preciso, ao contrário, ser o que somos e levar o nosso melhor estado de ser a irradiar em nosso entorno, fazendo com que a felicidade de processo esteja em segundo plano e não, em primeiro.


É interessante conhecer algumas premissas básicas universais:

  • Cada um está fazendo seu melhor o tempo todo;
  • Não é possível controlar nada - a única certeza que temos é o momento presente, é o agora, e só o que parte de nós mesmos. Querer controlar pessoas e situações gera perda de energia, somente, pois o controle é ilusório;
  • "Quando entendo que tudo o que acontece na minha realidade é minha responsabilidade, amplio meus limites para poder resolver meus problemas" - nada é externo, tudo nasce de nossa consciência;
  • Quando compreende-se a responsabilidade sobre a criação das circunstância. a pessoa passa a viver em estado de felicidade e a disseminar isso sobre o meio em que vive;
  • A partir dessa mudança de paradigma é preciso ser benevolente, para assim ajudar outras pessoas a ampliarem seus limites, uma vez que a expansão positiva é a orientação natural do universo.

Isomorfismo é viver relacionamentos coerentes em conexão com as leis maiores da vida.Quando agimos a partir da nossa sabedoria natural, do nosso interior, isto é isomorfismo, condição muito mais eficiente do que o mental, que é restrito. É importante compreender as leis da natureza como sendo o movimento constante, a transformação. Nada é fixo, nada está fatalmente determinado. É preciso compreender a flexibilidade, a resiliência, como características universais naturais.

É recomendável, também, desenvolver a gestão de mudanças: saber administrar os ciclos - todos tem expansão e recolhimento. Temos periodicamente transições de ciclo. é preciso estar aberto para saber o que precisa viver no próximo ciclo, e assim se permitir passar, ir em frente, abraçar as mudanças.

Para finalizar, uma linda reflexão de Marcos Wunderlich:
"Precisamos despertar. Despertar é acordar, perceber que na verdade estamos num grande sonho, e se estamos num grande sonho, podemos mudar e criar qualquer coisa. Não queira nada da vida, deixe que a vida mostre o que ela quer de você. Se entrega."